top of page

OUVINDO OS SINAIS

Atualizado: 6 de set. de 2021





Um sonho que se sonha só não é realidade...

Com dois companheiros em minha vida sonhei ter um espaço na "Terra"...

Meu segundo companheiro me presenteou no dia 11/11/89, comprando um lote, numa área em particular localizada numa expansão, em Brasilia. Em agosto de 1990, depois de quitadas a entradas, recebi o documento que me da até agora o direito da terra em cartório. (e que governos após governos, até hoje, não liberou a escritura nem habite-se, haja burocracia!!!!)


Em julho de 2011 conheci o programa dos Terapeutas sem fronteiras e no curso recebi o propósito de fazer as tarefas da "Arte de Ser e de Viver - Uma jornada de auto reconhecimento e bem-estar em 7 dias" (Rex Thomas) - traduz um momento de encontro com o amor e com sua essência. Nesse movimento simples e amoroso reforço minha condição como Ser Humano, uma forma de estar presente e pronta para ajudar o próximo de uma maneira incondicional, gratuita e genuína.

Durante o processo respondendo a pergunta simples: "O que eu realmente preciso para ser e viver bem na minha vida?" Me vi, e me emocionei, com a construção da minha CASA... Um sonho que venho adiando por 20 anos. Me dei conta que nunca havia dado passos firmes a favor de construí-la e

cada dia mais me distanciava de um sonho de criança. Entrei o ano de 2012 decidida a remover montanhas se preciso for... Mas realizaria meu sonho com muito amor e com a compreensão dos meus filhos...

O Sonho se realiza desde dezembro de 2012...

E em janeiro de 2013 fui morar na CASA DOS MEUS SONHOS.

Aquela que eu realmente preciso para ser e viver bem na minha vida...

Deixo aqui um profundo agradecimento aos amigos e terapeutas que estão ajudando em minha caminhada em especial aos meus filhos e neta, cúmplices na minha realização.

A todos minha profunda gratidão e desejos de eterna Luz pelo amor e cuidado recebido...

Tenho certeza que todos vão partilhar comigo o "Espaço Terra".

Hoje 2020, sinto na pele e nas entranhas porque as escolhas do coração ganham força e parece nos colocar em guerra contra tudo e todos...

E isso me pareceu incoerente por algum momento... Se o que buscamos com o coração, de onde expandimos amor e compaixão, porque nos coloca em guerra???


E me respondo agora: - para acessar o que o coração quer, precisamos descartar o que não faz parte dele, e que nos apegamos ao longo de uma vida cheia de ilusões e ideais com ruídos e tensões. Valores considerados reais.

Nos apegamos e sofremos quando temos que abrir mão..

Hoje, entendo que se estamos "conscientes" tudo se torna fácil e optamos por deixar ir...


Infelizmente não sabemos escolher o melhor caminho....

Muitas vezes é preciso que as decisões sejam a fórceps, ai sim, a guerra e a dor vem.


Compreendo agora que meu despertar foi nesse movimento.

Em 2011, dei inicio a um novo curso da vida.

Em 2012 as maquinas chegaram e foi o inicio a um sonho.

Ele não está concluído totalmente.. mas já faz o sua função de acolher e cuidar!


Em 2020 - aqui estou eu repensando a quarentena!

Todos devem ficar em casa, e eu em casa estou lá fora!

A quarentena tem sido tão externa, em casa, que nem sei o que ela me exige!

Consigo me sentir segura apesar de tudo a volta. Tomo sol, respiro ar puro, vejo as telinhas do mundo... Só não mato saudades de quem amo.. Mas amor é pra sempre ...

Podemos ficar anos sem encontrar e tocar.. As vezes dói...

Mas não morremos... aprendemos como é verdadeiro o nosso amor. O importante é saber sair do medo e sustentar cuidados com a vida!

E cuidando da minha vida, posso cuidar da vida do outro! A vida encontra caminhos pra se manter...somos resilientes.

E sabemos nos adaptar quando a mente assim o determina. A cura é não paralisar no medo.

Mesmo uma contaminação pode ser leve pra maioria de nós.

Porque focar no extremo? Vamos focar nas soluções hoje!!!

Amanhã virá com ou sem nossa vontade.

Seguindo em frente seremos fortes!

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


linhas-ley.jpg

Entre em contato

Obrigado pelo envio!

bottom of page